quinta-feira, 19 de maio de 2011

Carta a Clara (faraway, so close)




Clara,
até mesmo eu,
que mal falo a língua dos homens,
que desconheço a língua dos anjos ,
“não esqueço, o que
de fato teve seu começo,
numa festa de São João”.

Ali,
no big bang dos teus olhos
que transgressoramente
explodiram a ironia dos meus,
nasceu desmedido
e indomável,
subvertendo a razão.

Então soou sobre
o asfalto, dentro e
fora da cidade,
por dias e noites ,
nos acordes da música cinza
dos romances proibidos
que murmuram em
portas e janelas,
derrubando altares e calendários.

Mesmo “sem retrato
e sem bilhete,
sem luar, sem violão”.
O meu último desejo
é que não esqueças,
que esse amor de Pierrot,
permanecerá em mim,
aqui, ali e
aonde quer que eu vá.

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Macena (ou um minuto de silêncio In Memorian a Antonio Cândido do Nascimento )




Na calma face
do meu avô
que valia
por mil livros
de história

diante
da vida
que se
transfigurava

Compreendi
que o tempo
é bem mais
belo
quando visto
pelas costas.