sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Eternos e Imaculados




Se o que lhe digo,
mal cabe em seus ouvidos
Se o que vê,
evapora por ser inexato
Perceba que para mim,
dois mais dois nunca é quatro

Não queira compreender,
aquilo que é incompreensível
Apenas escolha o pecado,
lustre o mais adequado
e encontre comigo a saída
do labirinto assombrado

Pois além do céu sem luzes,
seremos eternos e imaculados.

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Patético Poético à Era Vulgar


No ápice
de uma era,
onde qualquer síntese
do povo é precária,
seria justa,
a luta,
do quixotismo cultural,
contra
os moinhos de vento
do Abilolado Mundo Novo?

Há uma grande esfinge
de lata
pelos desertores.

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

A dose de cachaça (ou o elixir etílico)




Se fosse apenas
uma dose de cachaça,
mas entre estes mililitros,
há algo de indócil.
Um absurdo gênero
de veneno embriagante,
que ilude a insatisfação
e provoca alacridade.

Se fosse apenas cachaça
sequer seria uma dose.
Pois entre estes mililitros,
há algo de putrescível,
uma espécie de antídoto sórdido
para ludibriar o desassossego
da realidade.

Se fosse apenas
uma dose de cachaça,
mas na alquimia destes mililitros
há algo de veneno e antídoto,
com um tanto de vida
e outro de morte.

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Quimera Blues



Ainda traja o parangolé de vento,
as plumas e as joias postiças,
para desfilar
na direção das vozes

Ainda ergue o estandarte fugaz,
as flores e os sonhos em espiral,
para impressionar
na direção das luzes

Sem perceber que são emissões
de estrelas
que jazem mortas.

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Theatrum vitae




És o protagonista,
que conta com o (s) co- protagonista (s),
na tua peleja contra o (s) antagonista (s)
e oponente (s).
Perante a perplexidade ou apatia dos figurantes.

És o co-protagonista,
que auxilia o (s) protagonista (s),
na (s) respetiva (s) peleja (s) contra o (s) antagonista (s)
e oponente (s).
Perante a perplexidade ou apatia dos figurantes.

És o antagonista,
que conta com o (s) oponente (s),
para tentar foder com o (s) protagonista (s)
e co-protagonista (s),
na (s) sua (s) pelejas.
Perante a perplexidade ou apatia dos figurantes.

És o oponente,
que auxilia o (s) antagonista (s),
para tentar foder com o (s) protagonista (s)
e co-protagonista (s)
na (s) sua (s) pelejas.
Perante a perplexidade ou apatia dos figurantes.

E na interatividade das ilusões,
és também o figurante perplexo ou apático

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Carta a Clara (faraway, so close)




Clara,
até mesmo eu,
que mal falo a língua dos homens,
que desconheço a língua dos anjos ,
“não esqueço, o que
de fato teve seu começo,
numa festa de São João”.

Ali,
no big bang dos teus olhos
que transgressoramente
explodiram a ironia dos meus,
nasceu desmedido
e indomável,
subvertendo a razão.

Então soou sobre
o asfalto, dentro e
fora da cidade,
por dias e noites ,
nos acordes da música cinza
dos romances proibidos
que murmuram em
portas e janelas,
derrubando altares e calendários.

Mesmo “sem retrato
e sem bilhete,
sem luar, sem violão”.
O meu último desejo
é que não esqueças,
que esse amor de Pierrot,
permanecerá em mim,
aqui, ali e
aonde quer que eu vá.

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Macena (ou um minuto de silêncio In Memorian a Antonio Cândido do Nascimento )




Na calma face
do meu avô
que valia
por mil livros
de história

diante
da vida
que se
transfigurava

Compreendi
que o tempo
é bem mais
belo
quando visto
pelas costas.

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Spiritual Streap-tease


No momento em que
uma a uma,
as falas da noite
foram apagadas,
seus rastros
transbordaram em sensações
destiladas e temperadas,
segundo a carne.

Desde então,
diante de mim,
encharcada em
música e cinema,
cada centímetro
da sua alma
vibrou desnuda.

Incrédulo



De encontro as profecias
e ameaças
da boa lábia
anunciadas
na doutrina
dos discípulos bêbados
por centenas
de longas léguas
(como um suspeito samaritano)
ao som
de sinos quebrados
descobri que o sertão
jamais vai virar mar.